Para agendar sua consulta, ligue ou mande e-mail:
Telefone
(19) 3927-0813 | (15) 99710-3179
Área restrita do usuário
Esqueci minha senha
Área restrita ao usuário
Primeiro acesso  |  
Esqueci minha senha
BUSQUE PELO PROFISSIONAL
NOTÍCIAS
Vacinas contra covid: por que imunizante que não impede infecção pelo coronavírus pode controlar a doença


Data: 27/01/2021   Autor: Sarah L. Caddy The Conversation*

25 janeiro 2021

Vacinação

Embora o ideal seja obter uma vacina para prevenir a infecção, isso é muito difícil de conseguir

As vacinas são uma maravilha da medicina. Poucas invenções podem ser creditadas por salvar tantas vidas.

Mas talvez você fique surpreso ao saber que nem todas as vacinas oferecem o mesmo nível de proteção. Algumas evitam que você desenvolva a doença, enquanto outras impedem até mesmo que você seja infectado. Essas últimas induzem o que é conhecido como "imunidade esterilizante".

Com a "imunidade esterilizante", o vírus nem consegue entrar no corpo porque o sistema imunológico o impede de penetrar nas células e se replicar.

Há uma diferença sutil, mas importante, entre prevenir doenças e prevenir infecções.

Uma vacina que "apenas" previne a doença pode não impedir você de transmiti-la a outras pessoas, mesmo que você se sinta bem. Mas uma vacina que fornece imunidade esterilizante acaba, eventualmente, com o vírus.

Em um mundo ideal, todas as vacinas induziriam imunidade esterilizante. Mas, na realidade, é extremamente difícil produzir vacinas que bloqueiem completamente a infecção por um vírus.

A maioria das vacinas que são usadas rotineiramente hoje não faz isso.

Por exemplo, as vacinas contra o rotavírus, uma causa comum de diarreia em bebês, podem apenas prevenir o desenvolvimento sério da doença. Mesmo assim, isso se provou inestimável no controle do vírus.

Vacina contra covid-19
Legenda da foto,

Ainda não se sabe se novas vacinas contra a covid-19 induzem o tipo de imunidade no corpo que impede o vírus de penetrar nas células e se replicar

Nos Estados Unidos, houve quase 90% menos casos de visitas a hospitais associados ao rotavírus desde que a vacina foi introduzida em 2006.

Uma situação semelhante ocorre com as vacinas atuais contra a poliomielite, mas há esperança de que esse vírus possa ser erradicado globalmente no futuro.

Boas notícias

As primeiras vacinas contra o Sars-CoV-2 autorizadas para uso demonstraram ser altamente eficazes no combate à doença.

Apesar disso, ainda não sabemos se essas vacinas podem induzir imunidade esterilizante.

Espera-se que esses dados (que virão de testes em laboratório a partir das vacinas disponíveis) venham a público em breve.

Mesmo se a imunidade esterilizante for induzida inicialmente, isso pode mudar com o tempo, à medida que a resposta imunológica diminui e ocorre a evolução viral.

Imunidade a nível individual

Mas o que isso significa, na prática, para os vacinados contra covid-19?

Pessoas conectadas
Legenda da foto,

Vacinas são essenciais para prevenir a propagação do Sars-CoV-2

Simplificando, significa que, se você entrar em contato com o vírus depois de ser vacinado, ele pode infectá-lo, mas você não terá sintomas - ou, se os tiver, serão leves.

Isso ocorre porque a resposta imune induzida pela vacina não impede totalmente a replicação de cada uma das partículas virais.

Um tipo particular de anticorpo conhecido como "anticorpo neutralizante" é necessário para gerar essa imunidade esterilizante.

Esses anticorpos bloqueiam a entrada do vírus nas células e evitam qualquer replicação. No entanto, para que eles possam atuar, o vírus infectante teria que ser idêntico ao vírus a partir do qual a vacina foi produzida.

O problema é que pesquisas recentes já indicam que mutações presentes nas variantes brasileira e sul-africana poderiam driblar esses anticorpos neutralizantes, abrindo a possibilidade para quem já teve covid-19 ser reinfectado e colocando em dúvida, portanto a eficácia das vacinas, como disse o pesquisador Tulio de Oliveira em entrevista recente à BBC News Brasil.

Oliveira liderou a equipe que descobriu a nova cepa do coronavírus na África do Sul. Ele é diretor do laboratório Krisp, na escola de Medicina Nelson Mandela, na Universidade KwaZulu-Natal, em Durban, onde vive desde 1997.

Mas nem tudo está perdido.

Felizmente, nossa resposta imunológica às vacinas envolve muitas células e componentes diferentes do sistema imunológico.

Mesmo que a resposta do anticorpo não seja ideal, outros aspectos da memória imunológica podem ser ativados quando o vírus invade o corpo, como as células T e anticorpos não neutralizantes.

A replicação viral é lenta e, portanto, a doença será reduzida.

Sabemos disso por meio de anos de estudos com vacinas contra a gripe. Essas vacinas geralmente induzem proteção contra doenças, mas não necessariamente conferem proteção total contra infecções.

Coronavírus em 3D
Legenda da foto,

Sistema imunológico tem muitas outras ferramentas além de neutralizar anticorpos para combater o vírus que causa a covid-19

Isso se deve em grande parte às diferentes cepas de influenza que circulam, uma situação que também pode ocorrer com o Sars-CoV-2.

É reconfortante notar que as vacinas contra a gripe, apesar de não induzirem a imunidade esterilizante, ainda são extremamente valiosas no controle do vírus.

Imunidade na população

Na ausência de imunidade esterilizante, que efeito as vacinas contra o Sars-CoV-2 poderiam ter na disseminação do vírus?

E mais: se infecções assintomáticas forem possíveis após a vacinação, existe a preocupação de que o Sars-CoV-2 continue a infectar tantas pessoas quanto antes?

Primeiro, pessoas infectadas assintomáticas geralmente produzem vírus em níveis mais baixos.

Embora não exista uma relação perfeita, quando somos expostos a uma maior quantidade de vírus, temos sintomas mais graves da doença.

Portanto, pessoas vacinadas têm menos probabilidade de transmitir vírus em quantidade suficiente que possa causar sintomas graves da doença nos outros.

Experimentos usando uma vacina contra um vírus diferente em galinhas mostraram que, quando apenas parte de um grupo foi vacinada, as aves não vacinadas sofreram doenças mais brandas e produziram menos vírus.

Apesar de a imunidade esterilizante seja frequentemente o objetivo final do projeto de vacinas, ela é raramente alcançada.

Felizmente, isso não impediu que as vacinas reduzissem substancialmente o número de casos de infecções por vírus no passado.

Ao diminuirmos o número de pessoas doentes, a taxa de propagação do vírus também cai e, com sorte, a pandemia ficará sob controle.

Sarah L Caddy é pesquisadora em imunologia viral e cirurgiã veterinária na Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

*Esse artigo foi publicado originalmente no site The Conversation e é publicada aqui sob uma licença Creative Commons.

Solicite seu Programa de Benefícios (novos clientes)
Preencha o formulário abaixo para solicitar seu Programa de Benefícios SIM SINAM
Seja um credenciado
Preencha os campos abaixo
saiba mais
Seja um revendedor
Preencha os campos abaixo
saiba mais
Newsletter
Cadastre-se e receba novidades em seu e-mail sobre o SIM SINAM
Atendimento

Piracicaba - SP:

Praça José Bonifácio, 799, sala 52, Ed. Presidente Kennedy

CEP: 13.400-315 - Centro – Piracicaba/SP

(19) 2533-1822 – (19) 3927-0813

 

Campinas - SP:
Rua José de Alencar, n° 293 – sala 11 - Edif. e Cond. André Gustavo - Centro
(19) 3307-0153
Whatsap: (19) 99291-9493
 

E-mail: adm@simsinam,.com.br; consulta@simsinam.com.br; contato@simsinam.com.br; vendas@simsinam.com.br

 

www.simsinam.com.br

 

Horário de atendimento

Piracicaba - SP:

De segunda-feira a sexta-feira. Das 08h00 às 17h00. Agendamento de Consultas até 17h00.                                         

 

Campinas - SP:

De segunda-feira a sexta-feira. Das 08h30 às 17h30.

Fora do horário de expediente:

De 2ª a 6ª feira e sábados: WhatsApp (19) 99291-9493  ou adm@simsinam.com.br

Siga-nos nas redes sociais